Dezembro para Jesus: As Parábolas

 [ Especial de Mensagens sobre Jesus ] 
Jesus gostava muito de ensinar e uma das formas que ele encontrou para ser entendido pela multidão foi a contação de parábolas. Ele foi um grande contador de histórias.
São muitas as parábolas que nós encontramos descritas nos Evangelhos e hoje aqui eu vou trazer 3.
Jesus usava as parábolas para falar sobre o reino dos céus e assim ele ilustrava grandes verdades do mundo espiritual.
E elas são lindas. Vamos acompanhar? 

O tesouro escondido e a pérola de grande valor

"Também o reino dos céus é semelhante a um tesouro escondido num campo, que um homem achou e escondeu; então, pelo gozo dele, vai, vende tudo quanto tem e compra aquele campo.
Outrossim, o reino dos céus é semelhante ao homem, negociante, que busca boas pérolas; 
E, encontrando uma pérola de grande valor, foi, vendeu tudo quanto tinha e comprou-a." 
(Mateus 13. 44 ao 46)

Você entendeu o significado destas curtas parábolas? 
Jesus usava, nessas histórias, alguns elementos para comparar o reino dos céus.
E aí ele comparou-o a um TESOURO que nunca dantes havia sido encontrado. Então, um dia um homem teve a felicidade de achá-lo.
Agora, ele tinha encontrado algo bom demais. Tão bom que o escondeu, vendeu tudo quanto tinha e comprou o campo com o tesouro dentro.
Por que ele fez isso? Porque tudo o que ele já tinha não se comparava ao tesouro que agora ele havia encontrado. Então, para ele valia mais se desfazer de seus bens e adquirir aquele campo valioso.
Trazendo para a vida real, o mesmo acontece quando encontramos Jesus.
Ele vale tanto, mas tanto, que podemos deixar as outras coisas e o "abraçarmos" certos de que encontramos o maior dos tesouros.
A parábola da pérola de grande valor tem o mesmo sentido.  



A dracma perdida 

"Ou qual a mulher que, tendo dez dracmas, se perder uma dracma, não acende a candeia, varre a casa e busca com diligência até a achar? 
E achando-a, convoca as amigas e vizinhas, dizendo: Alegrai-vos comigo, porque já achei a dracma perdida.
Assim vos digo que há alegria diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende." 
(Lucas 15. 8 ao 10) 

Nesta pequena parábola nós podemos perceber o NOSSO VALOR para Deus.
Veja, Jesus fez essa comparação com 1 (apenas uma) dracma perdida.
Alguém que tinha 10 e perdeu 1 porém não sossegou enquanto não encontrou aquela que havia perdido.
Assim somos nós para o Senhor.
1 só alma tem grande valor para ele. Na ótica terrena, a quantidade 1 pode ser mínima, muito pouco, mas para Deus  importa muito.
Portanto, quando um pecador se arrepende já há festa no céu.
Se você ganhar 1 alma para Deus saiba que essa alma tem um preço inestimável.
Nós valemos MUITO para Deus. 

E para terminar, mais uma parábola proferida por Jesus: 

O grão de mostarda 

"E dizia: A que assemelharemos o reino de Deus? Ou com que parábola o representaremos? 
É como um grão de mostarda, que, quando se semeia na terra, é a menor de todas as sementes que há na terra; 
Mas, tendo sido semeado, cresce e faz-se a maior de todas as hortaliças, que cria grandes ramos, de tal maneira que as aves do céu podem aninhar-se debaixo da sua sombra." 
(Marcos 4. 30 ao 32) 

Mais uma parábola para ilustrar o reino de Deus.
Jesus o comparou a um grão de mostarda, a menor das sementes.
Esse pequenino grão, ao crescer, torna-se imenso e acolhedor.
Da mesma maneira ocorre com o reino dos céus.
Podemos olhar e achar que nada está acontecendo ou que a "obra" é pequena e por isso não renderá frutos.
Porém, a obra do Senhor nunca será infrutífera.
Ela sempre vai crescer e todos verão.

Jesus tinha tanto amor pelas pessoas que se preocupava em fazer com que sua mensagem fosse compreendida, mesmo pelos mais simples.
Então ele usava as parábolas.
E você encontra tantas outras nos evangelhos.
E o que elas nos trazem de importante? 

Verdades eternas pela ótica do céu. 

"E com muitas parábolas como essas lhes dirigia a palavra, segundo o que podiam compreender.
E sem parábolas nunca lhes falava; porém, tudo declarava em particular aos seus discípulos." 
(Marcos 4. 33-34) 





Comentários