Os reis loucos

 [HISTÓRIAS DA BÍBLIA] 

Na série "Histórias da Bíblia" de hoje terá as histórias de dois reis (pai e filho). Em determinado momento de suas vidas acabaram passando dos limites e fizeram grandes loucuras. 
Como todo ato tem sua consequência, que pode ser boa ou não, eles também tiveram que lidar com isso. 
A Bíblia conta a história deles para nos mostrar que cada ser humano, não importa a posição que ocupe na sociedade, precisa enfrentar as consequências de seus erros. Isso mostra a justiça de Deus e a sua equidade, ou seja, a chamada "lei da semeadura" vale para todos, não importa a condição do indivíduo. 
Quando Deus precisa tratar com alguém, seja servo, seja rei, ele vai tratar.
Vamos agora saber o que aconteceu com cada um: 



NABUCODONOSOR 

Na história anterior desta série, que contei aqui na semana passada, nós vimos a história de Daniel e dos três amigos (Sadraque, Mesaque e Abdenego), que não se prostraram para a imagem de ouro que o rei Nabucodonosor havia feito. Os 3 amigos preferiram encarar uma fornalha de fogo ardente, que havia sido aquecida 7 vezes mais, do que adorar um deus falso. Eles foram fiéis ao Deus vivo  e em meio ao fogo tiveram a companhia do Senhor com eles e nada de ruim lhes aconteceu.
Se você não leu, clique aqui e leia.
Pois bem. O rei Nabucodonosor viu o que aconteceu e reconheceu que eles serviam a um Deus poderoso, que livra os seus servos. 
Mas parece que o rei, mesmo sabendo da grandeza desse Deus, ainda não tinha aprendido a lição da humildade. 
Mas um dia ele teve um sonho e este sonho o deixou muito perturbado. Mesmo chamando os mais entendidos de seu reino, nenhum deles conseguia interpretar o tal sonho: 

O Sonho 

"Eu, Nabucodonosor, estava sossegado em minha casa e próspero no meu palácio. 
Tive um sonho, que me espantou; e estando eu na minha cama, as imaginações e as visões da minha cabeça me turbaram. 
Por isso expedi um decreto, para que fossem introduzidos à minha presença todos os sábios de Babilônia, para que me fizessem saber a interpretação do sonho. 
Então entraram os magos, os astrólogos, os caldeus e os adivinhadores, e eu contei o sonho diante deles, mas não me fizeram saber a sua interpretação. 
Mas por fim entrou na minha presença Daniel, cujo nome é Beltessazar, segundo o nome do meu deus, no qual há o espírito dos deuses santos, então eu lhe contei o sonho..." 

A Interpretação 

Então o rei contou o sonho que teve para Daniel, servo de Deus e o sonho foi interpretado.
Daniel disse o que aconteceria ao rei: 

"A árvore que viste, que cresceu e se fez forte, cuja altura chegava até ao céu, e que foi vista por toda a terra; 
E cujas folhas eram formosas, o seu fruto abundante, na qual para todos havia sustento, debaixo da qual moravam os animais do campo, e em cujos ramos habitavam as aves do céu; 
Esta árvore és tu, ó rei, que cresceste, e te fizeste forte; a tua grandeza cresceu, chegou até ao céu e o teu domínio até à extremidade da terra. 
E quanto ao que viu o rei, um anjo, um santo que descia do céu e dizia: Cortai a árvore e destruí-a, mas o tronco com as suas raízes deixai na terra, atado com cadeias de ferro e de bronze, na erva do campo; e seja molhado do orvalho do céu e a sua porção seja com animais do campo, até que passem sobre ele sete tempos; 

Esta é a interpretação, ó rei, e este é o decreto do Altíssimo, que virá sobre o rei, meu senhor: 
A saber: Lançar-te-ão de entre os homens e a tua morada será  com os animais do campo; te farão comer erva como os bois, serás molhado do orvalho do céu e passar-se-ão sete tempos por cima de ti; até que conheças que o Altíssimo tem domínio sobre o reino dos homens e o dá a quem quer. 

E quanto ao que foi falado, que deixassem o tronco com as raízes da árvore, o teu reino voltará para ti, depois que tiveres conhecido que o céu reina. 
Portanto, ó rei, aceita o meu conselho e põe fim aos teus pecados, praticando a justiça, e deixar as tuas iniquidades, usando de misericórdia com os pobres, pois, talvez se prolongue a tua paz." 


A loucura do rei 

A palavra de Deus se cumpre na vida do rei: 

"Todas estas coisas vieram sobre o rei Nabucodonosor.
Porque ao cabo de doze meses, quando passeava no palácio real de Babilônia, 
Falou o rei e disse: Porventura não é esta a grande Babilônia que eu edifiquei para a casa real, com a força do meu poder, e para glória da minha magnificência? 

Ainda estava a palavra na boca do  rei, quando caiu uma voz do céu: A ti se diz, ó rei Nabucodonosor: Passou de ti o reino. 

Na mesma hora se cumpriu a palavra sobre Nabucodonosor, o qual foi tirado dentre os homens, comia erva como os bois e o seu corpo foi molhado do orvalho do céu, até que lhe cresceu pelo, como as penas da águia e as suas unhas como as das aves." 


Tudo isso aconteceu com o rei Nabucodonosor porque ele exaltou a si mesmo e creditou o seu reino e a sua grandeza a si mesmo.
Por causa que ele não reconheceu o Deus Soberano e Rei Eterno (que o tinha colocado em posição de poder) então ele chegou a esse ponto: de viver no campo com os animais e como sendo um deles, na aparência, na forma de viver e tudo o mais.  

"Seja mudado o seu coração, para que não seja mais coração de homem e lhe seja dado coração de animal...
Esta sentença é por decreto dos anjos, e esta ordem por mandado dos santos, a fim de que conheçam os viventes que o Altíssimo tem domínio sobre o reino dos homens e o dá a quem quer, e até ao mais humilde dos homens constitui sobre ele." 


O rei cai em si 

"Mas ao fim daqueles dias eu, Nabucodonosor, levantei os meus olhos ao céu e tornou-me a vir o entendimento, então eu bendisse o Altíssimo e louvei e glorifiquei ao que vive para sempre, cujo domínio é um domínio sempiterno, e cujo reino é de geração em geração. 
E todos os moradores da terra são reputados em nada e segundo a sua vontade ele opera com o exército do céu e os moradores da terra; não há quem possa estorvar a sua mão e lhe diga: Que fazes? 

No mesmo tempo tornou a mim o meu entendimento e para a dignidade do meu reino tornou-me a vir a minha majestade e o meu resplendor; (...) 
Agora, pois, eu, Nabucodonosor, louvo, exalço e glorifico ao Rei do céu; porque todas as suas obras são verdade, os seus caminhos juízo e pode humilhar aos que andam na soberba."

Bom, esta é a história da loucura do rei Nabucodonosor e depois dessa experiência, ele mesmo diz, com suas próprias palavras, a lição que aprendeu não é?
Está bem claro e não precisa acrescentar mais nada. 

Esta foi a história do pai. Agora vamos a história do filho.

BELSAZAR 

Belsazar era filho do rei Nabucodonosor e se tornou rei também. 
Um dia, ele fez algo que veio lhe custar muito caro. 
Parece que Belsazar também, assim como o seu pai, vai cometer um erro e um grande erro. 

O Banquete 

"O rei Belsazar deu um grande banquete a mil dos seus grandes e bebeu vinho na presença dos mil. 
Havendo Belsazar provado o vinho, mandou trazer os vasos de ouro e de prata, que Nabucodonosor, seu pai, tinha tirado do templo que estava em Jerusalém, para que bebessem por eles o rei, os seus grandes, as suas mulheres e as suas concubinas. 
Então trouxeram os vasos de ouro, que foram tirados do templo da casa de Deus...
Beberam o vinho e deram louvores aos deuses de ouro, de prata, de cobre, de ferro, de madeira e de pedra." 

Então, nesse dia, estava havendo essa grande festa e o rei se banqueteava com os seus homens e mulheres. 
Bebiam vinho em vasos sagrados (tirados da casa do Deus Altíssimo) e louvavam deuses feitos por mãos humanas. 
Mas por que isso Belsazar? 

De repente, tudo muda...
A alegria e o festejo acabam... 

A mão 

"Na mesma hora apareceram uns dedos de mão de homem, que escreviam, defronte do castiçal, na caiadura da parede do palácio real, e o rei via a parte da mão que estava escrevendo. 

Então se mudou o semblante do rei e os seus pensamentos o turbaram; as juntas dos seus lombos se relaxaram e os seus joelhos batiam um no outro. 

E clamou o rei com força, que se introduzissem os astrólogos, os caldeus e os adivinhadores; (...) 
Então entraram todos os sábios do rei; mas não puderam ler o escrito, nem fazer saber ao rei a sua interpretação. 

Então o rei Belsazar perturbou-se muito e mudou-se-lhe o semblante; e os seus grandes estavam sobressaltados." 

Foi aí que a rainha, vendo o estado do rei, interveio para o ajudar e lhe disse: 

"Há no teu reino um homem, no qual há o espírito dos deuses santos; nos dias de teu pai se achou nele luz, inteligência e sabedoria, como a sabedoria dos deuses; e teu pai, o rei Nabucodonosor, sim, teu pai, o rei, o constituiu mestre dos magos, dos astrólogos, dos caldeus e dos adivinhadores; 
(...) chame-se pois agora Daniel, e ele dará a interpretação." 

Nesse momento a festa já havia acabado e agora a única preocupação do rei Belsazar era saber o que a visão daquela mão escrevendo, queria lhe dizer. 
Ele estava atônito e precisava que alguém decifrasse aquela mensagem. 
E mais uma vez Deus revelou os seus mistérios para o seu servo Daniel:  

Daniel fala com o rei  

"Então Daniel foi introduzido à presença do rei. 
(...) 
Eu, porém, tenho ouvido dizer de ti que podes dar interpretação e resolver dúvidas. Agora, se puderes ler este escrito e fazer-me saber a sua interpretação, serás vestido de púrpura e terás cadeia de ouro ao pescoço e no reino serás o terceiro dominador. 

Então respondeu Daniel e disse na presença do rei: Os teus dons fiquem contigo e dá os teus presentes a outro; contudo lerei ao rei o escrito e far-lhe-ei saber a interpretação. 


Oh rei! Deus, o Altíssimo, deu a Nabucodonosor, teu pai, o reino, a grandeza, a glória e a majestade.
Mas quando o seu coração se exaltou, e o seu espírito se endureceu em soberba, foi derrubado do seu trono real e passou dele a sua glória. 
E foi tirado dentre os filhos dos homens e o seu coração foi feito semelhante ao dos animais, e a sua morada foi com os jumentos monteses (...), até que conheceu que Deus, o Altíssimo, tem domínio sobre o reino dos homens e a quem quer constitui sobre ele.  

E tu, Belsazar, que és seu filho, não humilhaste o teu coração, ainda que soubeste tudo isto. 

E te levantaste contra o Senhor do céu, pois trouxeram os vasos da casa dele, e tu, os teus grandes, as tuas mulheres e as tuas concubinas, bebestes vinho neles; além disso, deste louvores aos deuses de prata, de ouro, de cobre, de ferro, de madeira e de pedra, que não veem, não ouvem, nem sabem; mas a Deus, em cuja mão está a tua vida e de quem são todos os teus caminhos, a ele não glorificaste." 

Por causa de sua falta de temor e de respeito para com o Deus vivo e verdadeiro que lhe sobreveio isso. 
Ele mexeu onde não deveria. Ele tocou no sagrado: onde não tinha o direito de tocar. 
E não reconheceu ao Senhor dos céus e da terra em nenhum momento.  
Assim, tudo se complicou para ele. 
Daniel continua falando com o rei e traz agora a interpretação daquela visão que tanto mexeu com Belsazar, deixando-o aturdido. 

A Interpretação  

"Então dele foi enviada aquela parte da mão, que escreveu este escrito. 

Este, pois, é o escrito que se escreveu: MENE, MENE, TEQUEL, UFARSIM. 

Esta é a interpretação daquilo: MENE: Contou Deus o teu reino e o acabou. 

TEQUEL: Pesado foste na balança e foste achado em falta. 

PERES: Dividido foi o teu reino e dado aos medos e aos persas." 

Esta foi a interpretação vinda da parte de Deus. 
O rei, ao ver parte de uma mão escrevendo, e a mensagem que foi escrita, ele sabia que era pra ele. Um recado. E um recado divino. 
Nenhum de seus sábios e astrólogos conseguiram decodificar e ler aquela mensagem e tampouco ele, pois, vinha do Criador e ele revela a quem quer. 
Daniel então falou tudo para o rei. Os graves erros que ele havia cometido e de como tinha se esquecido de tudo o que acontecera com o seu pai e que com esse Deus, ninguém brinca. 

O fim 

O recado foi duro. A sentença também. 
Quer dizer, conforme a palavra dita por Daniel, tudo se cumpriu. 
Acabou, definitivamente, a festa para Belsazar. 

"... na mesma noite foi morto Belsazar, rei dos caldeus." 

E chegou ao fim a história do rei Belsazar. 
História esta que nos traz uma grande lição não é mesmo? 
E qual é a lição que nós, sim, nós mesmos, podemos tirar de tudo isso? 

É simples e clara:
Que não podemos, em momento nenhum, nem de forma alguma, brincarmos com Deus e com as coisas santas. 

Deus é extremamente zeloso com o que é seu. E mais: ele é Santo. E tudo o que é dele é santo também. 
Como alguém pode ousar tocar no sagrado, "farrear", zombar de Deus e ficar impune? 
De forma nenhuma. 
A história de Belsazar está na bíblia para que tenhamos conhecimento dela e não venhamos a agir como ele agiu. 

E isso vale para qualquer pessoa, qualquer situação. 
O recado do Senhor para nós hoje é: não brinque com o que é santo. Não zombe de Deus. 
Não coloque o sagrado junto ao profano. Nunca misture isso. 
Deus é Deus e ele cobra. 
Todo o louvor e glória devem ser dados a ele. 

Conclusão 


Com essas duas histórias de hoje, nós vimos como dois reis, no auge de seus reinados e usufruindo de poder (dados por Deus) chegaram ao ponto de cometer essas loucuras achando que não iam ser cobrados. 
Mas foram. Um, por se gabar de ser grande e glorificar a si próprio, foi jogado junto aos animais, para viver como eles, em estado de loucura total.
O outro, filho, como não aprendeu a lição, ultrapassou perigosos limites e pagou caro por isso. 

Isso nos mostra que o Senhor está sempre atento a tudo e vê bem dentro do nosso coração. Ele contempla os pensamentos, as intenções e as atitudes. 

Portanto, não vamos viver como se não houvesse um Senhor a quem temos de dar conta. 
Por mais longe que possamos ir e por mais alta posição que possamos alcançar, nunca nos esqueçamos que: 

O poder, a glória e toda a grandeza pertencem a DEUS. 
Nós sempre seremos servos fazendo uso daquilo que ele entregou em nossa mão. 

Amém? 






 

Comentários