O cântico de Moisés

[Série Bíblica: Cânticos da Bíblia - Final] A série bíblica "Cânticos da Bíblia" chega ao fim trazendo o cântico de Moisés. Este cântico assim como os outros fala sobre Deus e em todos eles podemos ver o amor, a justiça e o poder do Senhor. O  Deus de Israel é Fiel na vida do seu povo. E se tem um povo que viu grandes coisas acontecerem, é Israel mesmo. Todo o amparo e a providência divina sempre estiveram presentes mas não souberam agradecer e ser fiel ao Senhor. Daí que vinham as derrotas e o juízo divino. 
Eu disse no primeiro post desta série sobre o que poderíamos aprender do Senhor com esses cânticos e hoje eu afirmo: aprendemos muito. Porque por meio desses poemas, conhecemos um pouco mais sobre Deus e a Sua vontade e isso é o primeiro passo para a obediência.
E mais: tudo o que está na Bíblia, é para nos instruir e nos edificar espiritualmente. 
E a mensagem não é difícil de entender: o mais difícil é obedecer. 
Por isso, vamos ver neste último cântico de Moisés a mensagem do Senhor para o seu povo do passado e para nós hoje. 

Vamos meditar e temer ainda mais ao Senhor. 

O cântico de Moisés

"INCLINAI OS ouvidos, ó céus e falarei; e ouça a terra as palavras da minha boca.   
Goteje a minha doutrina como a chuva, destile a minha palavra como o orvalho, como chuvisco sobre a erva e como gotas de água sobre a relva. 
Porque apregoarei o nome do Senhor; engrandecei a nosso Deus.

Ele é a Rocha, cuja obra é perfeita, porque todos os seus caminhos justos são; Deus é a verdade e não há nele injustiça; justo e reto é.

Corromperam-se contra ele; não são seus filhos, mas a sua mancha; geração perversa e distorcida é.
Recompensais assim ao Senhor, povo louco e ignorante? Não é ele teu pai que te adquiriu, te fez e te estabeleceu?

Lembra-te dos dias da antiguidade, atenta para os anos de muitas gerações...
Quando o Altíssimo distribuía as heranças às nações, quando dividia os filhos de Adão uns dos outros, estabeleceu os termos dos povos, conforme o número dos filhos de Israel.
Achou-o  numa terra deserta e num ermo solitário cheio de uivos; cercou-o, instruiu-o e guardou-o como a menina do seu olho."  

 



Deus sempre ensinou o seu povo. Ele sempre se preocupou em guiar os seus filhos em um caminho reto e de luz. 
E ele pediu: "ouçam a minha palavra, recebam a minha doutrina..." 
E tudo o que vem dele é justo: quer dizer, é honesto e puro. Não é nada suspeito ou questionável.
Deus é a verdade e digno de todo crédito.

Mas o seu povo não quis dar ouvidos à Sua voz.
Antes, preferiram se corromper escolhendo os caminhos da perversidade e da loucura.
Mesmo depois de tudo o que o Senhor havia feito por eles. 

Infelizmente nós vemos hoje a mesma situação.
Saibamos porém que, para cada transgressão da lei divina, há um justo julgamento. 

"Como a águia desperta a sua ninhada, move-se sobre os seus filhos, estende as suas asas, toma-os e os leva sobre as suas asas, 
Assim só o Senhor o guiou; e não havia com ele deus estranho.

Ele o fez cavalgar sobre as alturas da terra e comer os frutos do campo, e o fez chupar o mel da rocha e azeite da dura pederneira.
Manteiga de vacas e leite do rebanho, com a gordura dos cordeiros e dos carneiros que pastam em Basã, e dos bodes, com o mais escolhido trigo; e bebeste o sangue das uvas, o vinho puro.

E, engordando-se Jerusum, deu coices (engordaste-te, engrossaste-te e de gordura te cobriste) e deixou a Deus, que o fez e desprezou a Rocha da sua salvação." 

Deus é um Pai de amor.
A comparação com a águia mostra o cuidado terno de Deus com os seus filhos.
Ele sempre providencia o melhor da terra para o seu povo.
"Jerusum" se refere a Israel e sua ingratidão. 

"Com deuses estranhos provocaram seu ciúme; com abominações o irritaram.
Sacrifícios ofereceram aos demônios, não a Deus; (...)

Esqueceste-te da Rocha que te gerou; e em esquecimento puseste o Deus que te formou;

O que vendo o Senhor, os desprezou, por ter sido provocado à ira...
E disse: Esconderei o meu rosto deles, verei qual será o seu fim; porque são geração perversa, filhos em quem não há lealdade.

Ciúmes me provocaram com aquilo que não é Deus; com as suas vaidades me provocaram à ira...
Porque um fogo se acendeu na minha ira, e arderá até ao mais profundo do inferno, e consumirá a terra com a sua colheita e abrasará os fundamentos dos montes.
Males amontoarei sobre eles; as minhas setas esgotarei contra eles." 

Os versos acima mostram quais foram os pecados dos filhos de Israel contra Deus:
Adorar falsos deuses, praticar abominações oferecendo sacrifícios aos demônios. (leia I Coríntios 10).
Esquecer-se do verdadeiro Deus...
Tudo isso indigna o Senhor e a cobrança vem.
Coisa horrível é ser desprezado por Deus e sofrer o seu duro julgamento.

"Eu disse: Por todos os cantos os espalharei; farei cessar a sua memória dentre os homens,
Porque são gente falta de conselhos e neles não há entendimento.  
Quem dera eles fossem sábios! Que isto entendessem e atentassem para o seu fim!" 

Com Deus não se brinca.

E para finalizar esta mensagem vou deixar mais alguns versos deste cântico que mostram mais uma vez o poder e soberania de Deus e como Ele volta a ter misericórdia de seu povo: 
"Minha é a vingança e a recompensa (...) porque o dia da sua ruína está próximo e as coisas que lhes hão de suceder, se apressam a chegar. 
Porque o Senhor fará justiça ao seu povo e se compadecerá de seus servos... 

Vede agora que eu, eu o sou, e mais nenhum deus há além de mim; eu mato e eu faço viver; eu firo e eu saro, e ninguém há que escape da minha mão. 

 

Se eu afiar a minha espada reluzente e se a minha mão travar o juízo, retribuirei a vingança sobre os meus adversários e recompensarei aos que me odeiam.


Jubilai, ó nações, o seu povo, porque ele vingará o sangue dos seus servos e sobre os seus adversários retribuirá a vingança, e terá misericórdia da sua terra e do seu povo." 

 A vingança pertence a Deus. Ele mesmo é quem diz em Sua palavra.  
É o Senhor quem julga a todos.
Ele julga o seu povo e os seus inimigos também.

E como foi declarado em outros cânticos também, agora na voz do Senhor:
É Ele quem determina a vida e a morte; a ferida e a cura; e NINGUÉM consegue escapar de seu juízo.

O Senhor volta a ter misericórdia de seu povo porque ele não se esquece de Sua aliança.
Deus é Justo e Fiel.
Ele é Amor e Amparo também, mas com Ele ninguém brinca.

Nós conhecemos a história do povo de Israel que está registrada nas Escrituras Sagradas e sabemos de todo o cuidado e zelo que Deus tem com o seu povo.
Hoje nós somos a Igreja de Cristo e fazemos parte de uma Nova Aliança.
O que serviu para eles ontem, hoje serve para nós.
E a maior mensagem que podemos tirar desses cânticos é: 
Temer a Deus porque Ele é Soberano e lhe devemos honra, glória e louvor.

Adore e louve esse Deus todos os dias de tua vida.
Cante e celebre o Senhor do Universo, pois certamente fomos feitos para isso.

"LOUVAI AO Senhor todas as nações, louvai-o todos os povos. 
Porque a sua benignidade é grande para conosco e a verdade do Senhor dura para sempre. Louvai ao Senhor."
salmo 117 

DEUS seja louvado.

Esta série termina aqui.
O cântico de Moisés do post de hoje está registrado em Deuteronômio 32.
Leia-o na íntegra.

E para ler os outros posts da série, clique nos links abaixo: 


Obrigada e até breve.








  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SALMO 46 - A Fé Perfeita em Deus

Salmo 6 - " Davi recorre à misericórdia de Deus e alcança perdão "

SALMO 91 - LIVRAMENTO